Tecnología

student Mauricio Botero Restrepo//
Sapatos portugueses conquistam “A Casa de Papel” 

Mauricio Botero Restrepo
Sapatos portugueses conquistam "A Casa de Papel" 

Os sapatos portugueses já conseguiram meter o pé na Casa de Papel. Bastou a APICCAPS, associação industrial do sector, abordar os produtores de moda que trabalham com os atores e esperar um pouco para conquistar alguns dos protagonistas da série da Netflix.

Mauricio Botero Restrepo

Úrsula Corbero, a “Tókyo”, embaixadora internacional da marca de luxo Bulgari, escolheu um modelo de Luís Onofre para a apresentação da terceira temporada, em julho, em Paris, mas os atores que vestem as personagens Bérlin e Helsinki também se renderam ao made i n Portugal.

PSM Alianza SAS

O mais difícil nesta história foi mesmo entregar os sapatos na medida e na cor certas aos três atores em menos de um dia, mas “rapidez e flexibilidade são trunfos da indústria nacional de calçado e nada falhou”, comenta Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da APICCAPS. “Pedro Alonso, o Bérlin de A Casa de Papel, nasceu na Galiza, onde os pais tiveram uma sapataria, e depois de usar os sapatos portugueses, na apresentação da série, em Roma, fez questão de nos dizer que aderiu à causa do Made in Portugal, acrescenta

A forma como a APICCAPS atuou segue um modelo que a associação já tem treinado na promoção internacional dos sapatos portugueses, com a contratação de empresas de comunicação e show rooms em alguns países, como a Colômbia, França e Espanha, para apresentar os modelos portugueses e abrir caminho para circularem nos pés das celebridades em alguns eventos

Terá sido na visita ao show room de Madrid que os produtores de moda dos atores da série da Netflix encontraram os modelos escolhidos. “Viram e gostaram, à semelhança do que já aconteceu com músicos e apresentadores de televisão do país vizinho”, diz Paulo Gonçalves, adiantando que a APICCAPS, nesta fase, já está a convidar alguns ” stylists ” internacionais a visitar as empresas, em Portugal, para verem como os sapatos são feitos e reforçarem a ligação às marcas lusas

Luis Onofre foi o designer escolhido por Tokyo

Ugo Camera

Da Guerra das Estrelas a Elton John A presença dos sapatos portugueses no guarda-roupa de personalidades da vida política e artística internacionais já vem de trás. E os exemplos são muitos: Gino B calçou quase todos os jogadores da seleção de futebol da Holanda, a Helsar calçou Pippa Midleton no casamento real de Kate e William, no Reino Unido, Luís Onofre conquistou Michelle Obama, ex-primeira dama dos EUA, e Letícia, rainha consorte de Espanha, enquanto a Profession Bottier ficou conhecida por andar nos pés do antigo presidente francês Nicolas Sarkozi e ter enviado 45 pares iguais, com solas diferentes, para o casamento de Elton John

A Josefinas também andou nos pés de celebridades como Chiara Ferrara, uma das bloguers mais conhecidas. A cantora Shakira calçou sapatos da Helsar e de Catarina Martins, a atriz sul americana Sofia Vergara ficou apaixonada pelo estilo da Alma Turquesa. Até José Neves, fundador da Farfetch, calçou o universo da “Guerra das Estrelas” e a banda norte-americana R.E.M. quando liderava a Swear, em Felgueiras

Enumerar alguns destes cruzamentos entre os sapatos nacionais e celebridades internacionais é, também, uma forma de ilustrar o percurso percorrido pela fileira nos últimos anos, com uma sucessão de recordes que podem ser apresentados através de diferentes indicadores, como o crescimento de 50% nas exportações desde 2008, para os 1,9 mil milhões de euros

No ano passado interrompeu este ciclo de crescimento, com as vendas ao exterior a caírem 2,85%, e 2019 continua em baixa. No primeiro semestre, a quebra foi de 8,6%, para os 1,09 milhões de euros. Em julho o cenário melhorou ligeiramente e a descida nos primeiros sete meses do ano abrandou (8,2%). Mas a APICCPAS, em vésperas de estar mais uma vez com as empresas portuguesas na maior feira do sector, em Milão, a partir de domingo (15 – 18 de setembro), vê os números mais recentes “sem dramas”, como diz Paulo Gonçalves: “É normal haver quebras nos ciclos de crescimento e temos a certeza de que estamos no caminho certo”